Poderá também gostar:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Líderes Russelitas ocultaram abusos infantis

Por Jeanne LeFlore

Segundo uma moção apresentada pelo "Pittsburg County District Court", toda a liderança da Igreja das Testemunhas de Jeová alegadamente ocultou os crimes de abuso de menores alegadamente levados a cabo por um homem identificado como um antigo ancião da igreja. A moção foi apresentada no dia 28 de Janeiro em ligação com as acusações de abuso levantadas contra Ronald Lawrence, de 76 anos.

Ronald era um ancião na "McAlester Jehovah Witness Church", segundo o Sargento-Detective Chris Morris. "Ele já não era um ancião mas ainda era membro da igreja," afirmou Morris. Segundo a moção, o Estado irá apresentar uma oferta de prova em relação ao encobrimento do crime por parte de Lawrence e por parte de “toda igreja, especialmente a liderança da 'Christian Congregation of Jehovah Witnesses'.

Em Novembro último Lawrence foi acusado de 19 crimes, incluindo 11 de molestação, 7 de sodomia forçada e uma acusação de violação por instrumentação. As alegadas vítimas nos casos foram duas raparigas pré-adolescentes e um rapaz que na altura tinha 5 anos. Lawrence foi preso pela polícia de McAlester depois de 3 pessoas se terem manifestado, alegando que haviam sido sexualmente abusadas por ele há cerca de 30 anos atrás.

Um affidavit do caso alega que uma mulher foi abusada desde que ela tinha 8 anos até aos seus 13 anos. Outra fêmea alegou que foi molestada por Lawrence desde os 10 aos 13 anos, e um rapaz alegou que foi abusado quando tinha 5 anos.

Lawrence disse à policia que "admitiu à sua igreja que todas estas alegações eram verdadeiras", de modo a que ele pudesse ser reintegrado na igreja depois de ter sido  "desassociado". O affidavit alega que Lawrence afirmou ter confessado aos membros da igreja os crimes, e ele nomeou 4 anciões da sua igreja que estavam cientes de alguns dos incidentes. Lawrence disse ainda à polícia que ele confessou à sua igreja alegações que incluíam um incidente com uma 4ª criança, um rapaz que disse aos seus pais ter sido "abusado sexualmente" por Lawrence dentro do vestiário dos homens da limpeza no "First National Bank".

Em Dezembro, o advogado de Lawrence, Warren Gotcher, deu entrada a uma moção alegando que as acusações deveriam ser rejeitadas visto que o estatuto de limitações havia expirado. Em resposta, a moção do procurador distrital declara que,visto que os alegados crimes não foram reportados à autoridades policias até 2013, o estatuto de limitações ainda não acabou.

A moção alegou que a Igreja Testemunhas de Jeová impediu que as vítimas avançassem com a queixas:

As acções da igreja, o banimento de Lawrence em mais do que uma ocasião, e as directrizes do corpo directivo impostas às vítimas e aos seus membros familiares em torno deste crime, foram acções de "encobrimento" e mais acções que impediam as vitimas de reportar os crimes às forças da lei.


Segundo a moção, o Estado do Oklahoma está a pedir ao tribunal que rejeite a moção do acusado (que pede que as acusações sejam rejeitadas), e que autorize que o assunto prossiga para uma audiência preliminar.

Lawrence foi liberto da cadeia no dia 24 de Novembro, e uma das condições da sua libertação, para além do pagamento da fiança de $50,000, foi que ele nunca entrasse em contacto com as vítimas do caso. Se ele for condenado, Lawrence pode passar o resto da sua vida na prisão.

Ninguém da Igreja Testemunhas de Jeová respondeu às várias chamadas que foram feitas, e Lawrence não pôde ser contactado para emitir um comentário.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto e nem responderás só com links.
6. Escreverás "Deus" e não "deus", "Bíblia" e não "bíblia", "Jesus" e não "jesus".
7. Não usarás de linguagem profana e grosseira.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.