Poderá também gostar:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Portugal tem menos católicos e mais protestantes/evangélicos

Há cada vez menos católicos em Portugal e cada vez mais protestantes/evangélicos e Testemunhas de Jeová, revela um estudo do Centro de Estudos de Religiões e Culturas da Universidade Católica Portuguesa.

"Pode observar-se um decréscimo relativo da população que se declara católica e um incremento da percentagem relativa às outras posições de pertença religiosa, com um particular destaque para o universo protestante (incluindo os evangélicos)", refere o relatório interpretativo do "Inquérito 2011" que compara dados de 1999 com um outro inquérito realizado no final do ano passado.

O estudo, que pretende perceber como é que os portugueses se situam perante o fenómeno religioso, revela que, nos últimos onze anos, os católicos diminuiram 7,4 por cento (%), passando de 86,9% da população para 79,5%.

Ao contrário da tendência de diminuição de católicos, duplicou a percentagem de pessoas com uma religião diferente da católica (2,7% em 1999 para 5,7%), assim como cresceu o número de pessoas sem qualquer religião (de 8,2% para 14;2%), um aumento que se sentiu em todas as categorias: os indiferentes passaram de 1,7 para 3,2; os agnósticos de 1,7 para 2,2 e os ateus de 2,7% para 4,1%.

Entre a população crente com religião, a grande maioria continua a ser católica, mas tem vindo a reduzir o seu peso: no final do século passado representavam a quase totalidade dos crentes com 97%, enquanto agora esse grupo representa 93,3%.

O inquérito mostra um aumento de protestantes/evangélicos (que passaram de 0,3% para 2,8%) e das Testemunhas de Jeová, que em 1999 representavam um por cento e agora são 1,5%. Os "outros cristãos" também aumentaram uma décima (1,5% para 1,6%) assim como os pertencentes a religiões não cristãs (eram 0,2 e agora são 0,8%).


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Será que a Bíblia condena a escravatura?

Escravo
Existe hoje em dia uma tendência de olhar para a escravatura como algo do passado, mas estima-se que, actualmente, cerca de 27 milhões de pessoas encontram-se sujeitas a um tipo de escravatura: trabalho forçado, tráfico sexual, propriedade hereditária, etc.

Como pessoas que foram libertas da escravatura do pecado, os seguidores do Senhor Jesus Cristo devem ser os grandes batalhadores na luta contra a escravatura humana. No entanto, urge perguntar: porque é que Bíblia não fala de um modo assertivo contra a escravatura?

Porque é que a Bíblia, na verdade, parece apoiar a práctica da escravatura? A Bíblia não condena de modo específico a práctica da escravatura, mas dá instruções em relação à forma como os escravos devem ser tratados (Deuteronómio 15:12-15, Efésios 6:09, Colossenses 4:1).

Muitos olham para isto como uma justificação para defender que a Bíblia apoia todas as formas de escravatura. O que muitos não entendem é que a escravatura dos tempos Bíblicos é muito diferente da forma de escravatura que foi practicada nos últimos séculos em várias partes do mundo.

 A escravatura presente na Bíblia mão era baseada exclusivamente na raça uma vez que as pessoas não eram escravizadas com base na sua nacionalidade ou na cor da sua  pele. Nos tempos Bíblicos, a escravatura era mais uma questão de estatuto social onde as pessoas frequentemente se vendiam como escravas quando não conseguiam pagar as suas dívidas ou para providenciar para as suas famílias.

Por altura da composição do Novo Testamento, por vezes médicos, advogados e até políticos eram escravos de outras pessoas. Algumas chegavam até a escolher serem escravas uma vez que todas as suas necessidades seriam suprimidas pelos seus donos.

 A escravatura dos últimos séculos era frequentemente baseada exclusivamente na cor da pele. Nos Estados Unidos, muitos negros foram considerados escravos devido à sua  nacionalidade; muitos donos de escravos realmente acreditavam que os negros eram seres humanos inferiores (algo suportado pela teoria da evolução mas refutado pela Bíblia).

 Sem sombra de duvida que a Bíblia condena de modo absoluto a escravatura baseada na raça. Consideremos a escravatura que os Hebreus sofreram enquanto se encontravam no Egipto, onde eles eram escravos involuntariamente (Êxodo 13:14). As pragas que Deus enviou contra o Egipto demonstram o que Deus pensa da escravatura fundamentada na raça (Êxodo 7-11).

 Portanto, sim, a Bíblia condena algumas formas de escravatura mas permite outras formas de escravatura. A palavra chave aqui é que a escravatura que a Bíblia permitia não era de forma alguma baseada na raça que existiu no mundo durante os últimos séculos.

A isto acresce-se o facto do Novo Testamento condenar a práctica de "roubo de homens", que foi o que aconteceu no continente Africano durante muitos anos: Os africanos eram presos por caçadores de escravos que mais tarde os vendiam aos traficantes de escravos (que os traziam para o Novo Mundo de modo a trabalharem nas plantações e nas quintas).

 Esta práctica é tão desprezada pelo Criador que na Lei de Moisés, a pena para quem levada a cabo era a morte:

"E quem furtar algum homem, e o vender, ou for achado na sua mão, certamente morrerá." (Êxodo 21:16).

Semelhantemente, os traficantes de escravos não só foram listados como aqueles que são "ímpios e pecadores", como foram colocados na mesma categoria dos "parricidas e matricidas, para os homicidas, para os devassos, para os sodomitas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e para o que for contrário à sã doutrina"  (1 Timóteo 1:8-10).

 Outro ponto crucial a reter é que o propósito da Bíblia é apontar para o caminho da salvação, e não para reformar a sociedade. A Bíblia frequentemente lida com os assuntos de dentro para fora. Se uma pessoa sete o amor, a misericórdia e a graça que Deus gratuitamente dá a quem aceitar a Sua Salvação, Ele irá reformar a sua alma, alterando a forma como ele pensa e age.

 A pessoa que experimentou o dom de Deus que é a Salvação e a liberdade perante a escravatura do pecado, Deus reforma a sua alma e essa pessoa apercebe-se que escravizar outras pessoas contra a sua vontade está errado.

A pessoa que, de modo genuíno, experimentou a graça de Deus, será, por sua vez, graciosa para com os outros. Essa é a prescrição Bíblica para acabar com a escravatura. Fonte: http://tinyurl.com/puy3qjg

 * * * * * * *

A ler: "Será que Richard Dawkins tem o gene escravagista?"