Poderá também gostar:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

PORNOGRAFIA - Quanto mais você vê, menos vê

Na actualidade, em tudo existe pornografia e imoralidade, aliás, as Santas Escrituras relatam que no mundo jaz o maligno.

Quando falamos em pornografia, não nos referimos somente a filmes pornográficos, revistas etc, mas a pornografia e a imoralidade estão em palavras, músicas, actos e até mesmo em pensamentos.

A imoralidade, a prostituição, impureza e lascívia (sensualismo, eroticismo - Gálatas 5.19-), são os membros que formam a pornografia. A imoralidade está presente em músicas com letras profanas, festas movidas a álcool, sexo e drogas, e tudo isso leva à prostituição (e a prostituição leva à sepultura - Provérbios 7.27-) tornando-os impuros e, portanto, inaptos a entrada no Reino dos Céus.

Uma pessoa que diz ser cristã, mas é "viciada" em pornografia (tanto filmes como revistas e tudo quanto é imoral) não tem vontade própria, nem vida espiritual ativa; pois não consegue separar-se desse mal. A pornografia é como uma droga: Depois da primeira "olhada" fica difícil de se desfazer e separar-se desse pecado, que cada vez mais derrota e cega nosso lado espiritual, nos deixando casa vez mais frios.
 
Muitos jovens mantêm uma rotina regada pelo pecado, tendo como fonte a pornografia. Sabemos que errar é humano, porém Jesus Cristo passou 33 anos aqui na terra como ser humano, feito de carne, frágil, mas nunca caiu nas ciladas do inimigo. Ser humano não significa cair nas ciladas satânicas, mas errar, aprender com o erro e ajudar mais pessoas a não cairem na mesma cilada.
 
Muitos, por não terem conhecimento das escrituras e por falta de ocupação, acabam ocupando seu tempo praticando o que desagrada a Deus e entristeçe o Espírito Santo.
 
A pornografia nos desperta desejos impuros, os quais nos levam à ocupação de nossa mente com imoralidade (Devassidões, desonestidades, glutonarias -1Cor. 6.10; Gl. 5.21-), nos fazendo acreditar que aquilo é " o bom da vida".
 
Devemos ocupar nosso tempo livre para nos dedicarmos a Deus. Mat. 26. 41: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca".


video

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

A anormalidade do ateísmo

Crianças Orar

O Dr Justin Barrett, um pesquisador sénior do "Centre for Anthropology and Mind" da Universidade de Oxford, alega que os jovens possuem uma predisposição para acreditar Num Ser Supremo porque assumem que tudo o que existe no mundo foi criado com um propósito. Ele afirma que as crianças têm fé mesmo quando não foram ensinadas pelas escolas ou pela família; ele alega também se as crianças fossem criadas sozinhas numa ilha deserta, ele acabariam por acreditar em Deus. Falando para a BBC Radio 4, Barretttt afirmou:

A preponderância de evidências científicas recolhidas durante os últimos 10 anos mostrou que há muito mais coisas embutidas no desenvolvimento natural das mentes infantis do que pensávamos - incluindo uma predisposição para ver o mundo natural como algo criado e com um propósito, e para ver algum tipo de Inteligência por trás desse propósito. Se colocássemos um grupo de crianças numa ilha e eles crescem isoladas do resto do mundo, e sozinhas, acho que elas acabariam por acreditar em Deus.

Numa palestra a ser dada no Instituto Faraday da Universidade de Cambridge na Terça-feira, o Dr Barrett citará experiências psicológicas levadas a cabo com crianças que ele afirma demonstrarem que as crianças instintivamente acreditam que quase tudo foi criado com um propósito.

Num dos estudos foi perguntado a crianças com 6 e 7 anos o porquê da existência do primeiro pássaro, ao que eles responderam "para fazer música bonita" e "porque serve para tornar o mundo mais agradável".

Outra experiência levada a cabo com bebés de 12 meses sugeriu que eles ficaram surpreendidos por verem um filme onde uma bola rolante aparentemente criou uma pilha de blocos organizada a partir duma pilha de blocos desorganizada. O Dr Barrett afirmou que existem evidências de que, aos 4 anos, as crianças entendem que, embora alguns objectos podem ser feitos pelos homens, o mundo natural é diferente.

Ele acrescentou que isto significa que as crianças são mais susceptiveis de acreditar no criacionismo do que na teoria da evolução, apesar do que lhes possa ser dito pelos pais ou professores. O Dr Barrett disse ainda que alguns antropólogos apuraram que em algumas culturas as crianças acreditam em Deus mesmo quando o ensino religioso lhes foi barrado.

O desenvolvimento normal e natural das mentes infantis faz com que elas sejam mais susceptíveis na criação Divina e no design inteligente. Em contraste, a teoria da evolução é anti-natural e relativamente difícil de acreditar.

Fonte: http://ow.ly/oZhMo

 * * * * * * * *
Aparentemente, o cérebro humano está construído para ver propósito e ordem no mundo natural - algo que rapidamente nos leva para outra dimensão de existência uma vez que essa ordem e esse propósito nunca poderiam ser auto-imposto. Portanto, sempre que um militante ateu alega que "todos nós nascemos ateus", ele está a fazer uma declaração que contradiz as evidências.

Obviamente que se pode dizer que estas experiências foram feitas com crianças com 6 ou 7 anos, ou com as de 12 meses (e não com recém-nascidos) mas é difícil aceitar que essa natural inclinação do cérebro humano seja algo ensinado ou instalado pela sociedade. Aliás, o próprio Dr Barrett sugere que isso é algo inato e imutável.

 O que o ateísmo e a teoria da evolução fazem no cérebro humano é rejeitar a natural tendência humana de ver um propósito e uma causa nos efeitos naturais, e acreditar que o universo em si é um efeito sem causa - um sistema sem Um Engenheiro - algo que é, nas palavras do texto de cima, "anti-natural".

 Convém ressalvar que só porque uma coisa é "difícil de acreditar" isso não a torna falsa. O ponto deste texto é demonstrar que o argumento "todos nascemos ateus" é cientificamente falso. Mas como já sabemos, os ateus não ligam muito à ciência (http://ow.ly/oZoFv).

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

É a universalidade do sentimento religioso uma evidência contra o ateísmo?

Homem Orando
Um estudo maciço levado a cabo junto das mais varadas culturas do mundo apurou que a fé religiosa é natural, até instintivo, no ser humano. Roger Triggm, professor na Universidade de Oxford, afirmou:

Temos tendência para ver propósito no mundo. Vemos operacionalidade. Pensamos que algo se encontra por lá, mesmo que não sejamos capazes de a observar. ... Toda esta forma de pensar tem tendência a acumular-se até desenvolver-se uma forma de pensar religiosa.

Trigg é co-director do projecto de Oxford (com a duração de 3 anos) que incorporou mais de 40 estudos distintos levados a cabo por dezenas de pesquisadores observando países desde a China até a Polónia, passando pelos Estados Unidos e a Micronésia.

 Estudos levados a cabo por todo o mundo apuraram resultados similares, incluindo a amplamente disseminada crença em algum tipo de vida depois da morte e uma tendência instintiva para sugerir que os fenómenos naturais têm um propósito. Trigg afirma que "para as crianças, em particular, era muito fácil pensar duma forma religiosa".

Mas o estudo apurou que mesmo os adultos eram muito susceptíveis por atribuir a um Agente Invisível a responsabilidade por um evento natural. Segundo Justin Barrett, o outro co-director do projecto, o estudo não diz nada sobre a existencia de Deus, deuses ou se existe algum tipo de vida depois da morte.

Este projecto não tem como finalidade prover a existência de Deus ou a existência de deuses. Só porque uma forma de pensar é mais fácil para o ser humano não significa que é a verdadeira forma de pensar, nem que é um facto.

Trigg vai mais longe e afirma que tanto ateus como os religiosos podem usar este estudo em seu favor. Segundo Trigg, o famoso secularista Richard Dawkins "pode aceitar os nossos estudos e afirmar que nós temos que ultrapassar esta fase da nossa vida." Mas as pessoas com fé religiosa podem alegar que a universalidade do sentimento religioso server o propósito de Deus.

Os religiosos podem dizer coisas como "Se Deus existe . . . então Ele criaria em nós uma inclinação natural de O buscar."

Trigg acrescenta que o bem-sucedido estudo pode não tomar uma posição no que toca à existência de Deus, mas ele tem implicações profundas para a liberdade religiosa:

Se nós temos algo que se encontra tão enraizado na natureza humana, contrariá-lo é de qualquer forma não permitir que os seres humanos realizem os seus interesses básicos. Existe um impulso muito forte para olhar para a religião como algo privado.

Trigg discorda desta opinião e acrescenta:

[A religião] não é algo do interesse de alguns mas sim algo que faz parte da natureza básica do ser humano. Isto mostra que ela é mais universal, prevalecente e profundamente enraizada, e isto é algo que tem que ser considerado. Não se pode fingir que ela não está lá.

O estudo, com o nome de "Cognition, Religion and Theology Project", sugerem fortemente que a religião não enfraquecerá com o tempo, afirmou Trigg:

A tese da secularização dos anos 1960, a meu ver, estava irremediavelmente condenada ao fracasso.

Ateísmo Perigoso
Demasiada exposição ao ateísmo pode ter consequências mentais irreversíveis
Fonte:  http://ow.ly/oZzbg

 * * * * * * *

Este é o tipo de dado científico que seria de esperar se Deus realmente existisse, e se Ele fosse um Ser com o desejo de Ser conhecido pelas suas criaturas. Um sistema psicológico embutido no ser humano que o torna mais susceptível de acreditar em Deus (e sabemos que a fé no Deus da Bíblia tem resultados sociais, psicológicos, médicos e emocionais benéficos) só faz sentido se Deus realmente existe.

Se Deus não existe, e - como dizem alguns evolucionistas - a fé em Deus e a religiosidade são coisas danosas para o ser humano, como é que se explica que algo alegadamente tão "danoso" tenha sobrevivido tanto tempo dentro da espécie humana, e tenha efeitos sociais tão bons para quem está nele envolvido?

Não é mais lógico aceitar que o ateísmo - e não a religião - é que é uma crença anti-natural e totalmente contrária à natureza básica do ser humano?